Estamos acostumados a pensar que um produto de limpeza só é bom se ele solta muita espuma, porque o entendemos a partir do princípio ativo do sabão somente. Preocupados em mudar a mente de quem faz a limpeza acontecer todos os dias começamos a pesquisar sobre essa questão e vimos que quando se trata do uso de detergentes (entende-se por detergente, tudo aquilo que limpa, pois detergente em latim é = limpar) essa não é uma verdade.

Quando se trata de qualquer produto de limpeza sintético, o ideal é que ele não solte tanta espuma, pois não permite a oxigenação dos oceanos e também agride as superfícies onde são aplicados, podem estragar uma máquina de lavar, por exemplo.

Então você que ainda está com a mentalidade de que o produto que não faz espuma, não dá bons resultados, estamos aqui para desmistificar essa informação pra vc: o que vai indicar se ele é um produto que vai te trazer bons resultados ou não, na remoção das sujeiras, é a capacidade de formar micelas, isto é, pequenos glóbulos que retém a gordura em seu interior. Essa estrutura química dos detergentes (e não o fato de se formar espuma) é que garante a limpeza.

A maior parte das empresas que fabricam produtos de limpeza conhecendo da mentalidade dos clientes de que a espuma é o que garante o resultado, adiciona espumantes aos detergentes para venderem mais. Por aqui trabalhamos diferente, priorizamos o princípio ativo, ou seja, os produtos não fazem tanta espuma, mas tem a estrutura necessária para garantir os resultados químicos da limpeza.